NOTA: A quem consulte e aprecie este blogue e possa contribuir com comentários, críticas ou correcções têm a minha consideração.
Aqueles que por seu entendimento, possam ser proprietários de alguns elementos fotográficos, e pretendam a retirada dessa foto, agradeço que me seja comunicada para evitar constrangimentos pessoais.

Obrigado.

8 de março de 2010

Quinta da Quintã - Soalhães

Soalhães - Marco de Canaveses
Este brasão encontra-se implantado no portal da quinta intitulada de "Solar da Quintã" em Soalhães. A imponente imagem que exprime por quem passa pela via rápida num sopé abaixo, transmite-lhe uma magnitude e uma imponência admirável.
Ao aproximar, mais grandiosidade transparece quer pela extensa linha de parede murada a contornar a quinta, bem como das entradas, principal e secundária, que serva a casa.
Desconhece-se a origem e famíla, sendo que contudo poder-se-à tirar mais alguma informação em dois sites que de seguida se apresenta.
A pedra de armas assenta sobre portal de granito, na entrada principal, com a seguinte descrição:
forma: "de fantasia"
leitura: Esquartelado
 em I - Vieira, 
II - Carneiro
III - Vasconcelos
IV - Magalhães
Elmo tarado de perfil à direita
Virol e Timbre dos 
Cartilha envolvente que suporta o escudo de armas 



A casa de Quintã, último baluarte do Morgado de Soalhães, possui hoje, uma mínima parte das terras que o constituíram.
O vistoso solar obedece ao estilo arquitectónico D. João V e foi acabado no ano de 1742. Pela sua grandeza, foi o maior e primeiro edifício do concelho e um dos primeiros de todo distrito.
Magnificente edificada em quadrado, tem uma torre a poente, ficando a entrada para um largo terreiro do lado sul da propriedade, ampla e toda murada.
Sempre foi timbre da Casa de Quintã a partilha das suas festas com os caseiros e gentes da terra.
O exterior da casa, engalanado e com os mais diversos aparatos de comodidade e distracção, foram palco á disposição do público.
O último dos mais importantes eventos que a Casa de Quintã celebrou como festa pública foi, em 12 de Setembro de 1998, o casamento de D. Joana da Costa Lobo e Reymão Nogueira.
http://soalhaesmarco.comunidades.net/index.php?pagina=1859693692


Numa perspectiva arquitetónica, existe uma casa senhorial que se destaca bastante, ou seja, o Solar de Quintã.

Edificado segundo o estilo de Dom João V e findado em 1742, o Solar de Quintã foi a primeira construção do concelho e um dos primígenos da totalidade do distrito do Porto, salientando-se pela sua grandeza, arquitectura e magnificência, exterior e interior. Levantada sob uma planta quadrangular, a obra em análise exibe um primoroso chafariz no claustro interno. Paralelamente, do lado oeste, ergue-se uma torre bem obrada e do lado sul expõe-se a sumptuosa a pomposa entrada com um largo terreiro, embelezado por laranjeiras e camélias, nas adjacências do alto muro circundante. Ao mesmo tempo, duas escadarias faustosas em granito (com balaustradas, estátuas e aprimorados ornamentos) e um amplo e magnificente pátio encaminham até ao primeiro andar. Já do lado este desta imponente frente descobre-se uma capela, com proporções simétricas, indo esteticamente ao encontro do esplendor da casa senhorial através dum arco de pedra.
http://www.marcodecanaveses.pt/soalhaes/index.php?op=conteudo&lang=pt&id=230

Sem comentários:

Enviar um comentário