NOTA: A quem consulte e aprecie este blogue e possa contribuir com comentários, críticas ou correcções têm a minha consideração.
Aqueles que por seu entendimento, possam ser proprietários de alguns elementos fotográficos, e pretendam a retirada dessa foto, agradeço que me seja comunicada para evitar constrangimentos pessoais.

Obrigado.

12 de Outubro de 2014

Brasão de van Zeller em cemitério - Porto

Cemitério de Agramonte, jazigo nº 8 (13ª secção), freguesia de Massarelos, Porto - Portugal

Jazigo de família cujos corpos de Roberto van Zeller e de sua esposa se encontram em eterno descanço.
A pedra de armas encontra-se aplicada num paredão simbólico, (mais parece um altar), onde se inserem duas placas com as inscrições dos familiares falecidos (seus descendentes) onde assenta o escudo da família e sobre esta uma cruz. Na sua envolvência pequenos símbolos tumulares e decorativos.
A descrição da Pedra de Armas:
Época: séc. XIX
Escudo: Suíço ou Ogival Inglês
Material: Mármore
Formato: Pleno ou simples
Leitura: van Zeller
Elmo: Aberto, gradeado e perfilado à direita e sem paquife
Timbre: de van Zeller
Cores: de prata, com três melros de negro, com os bicos e as patas em ouro e por diferença, uma estrela com cinco (deviam ser seis) raios vermelhos posta em abismo

4 de Outubro de 2014

Antigas Medidas Medievais de Comprimento

Sé do Porto, Portugal

As medidas tradicionalmente usadas em Portugal, desde as origens da sua independência até ao período do ano de 1500, eram fundamentalmente o Côvado e a Vara e eram essencialmente utilizadas para se medir tecidos, mas também fitas e linhas.
O Côvado era já uma medida frequentemente utilizada e descrita pela Bíblia e em Portugal estas medidas eram muito variáveis quanto ao seu rigor da sua medida quer na actividade quotidiana das populações.
No que confere às medidas lineares a medida-padrão é o Palmo e consequência desta aparecem outras como múltiplos, entre as quais o Côvado e a Vara, mais usuais e correntemente utilizadas como medida.
Quadro-Padrão

Braça - 184 cm
Vara - 110 cm ( 5 palmos)
Meia Braça - 92 cm
Côvado ou Alna - 66 cm ( 3palmos)
Meia Vara - 55 cm (2,5 palmos)
Meio Côvado - 33 cm (1,5 palmos)
Palmo - 22 cm " Unidade-Base"

Este quadro confere uma uniformidade da medida, contudo podemos afirmar que em muitos locais, pelos séculos XII e XIII, essas medidas eram bem diferentes causando transtornos comerciais.
Na História de Portugal ficou retida a importância da chamada Reformas Manuelinas, como ponto de viragem na vida económica do reino, anunciadas em 1499 e considerada como marco de mudança de hábitos, pois assim perdurou por muitos anos a inconsistência nas medidas frequentemente utilizadas pela população como resistência natural, ao apego das tradições e o receio às mudanças.
Na cidade do Porto, só em 1711, com a publicação do "Regimento Aferidor dos Pezos Miúdos, Balanças e Medidas de Azeite e Covados e Varas desta Cidade do Porto e seu Termo" faz prova de que esta questão ainda não tinha sido resolvida, contudo viria a prevalecer a vontade real através de marcas em locais de feiras e mercados como representativo dessa imposição.
Como prova das medidas lineares podemos atualmente visualizar pelo País, como medida de aferimento das medidas utilizadas pelos mercadores, devia ser feito pelo confronto pela medida do comerciante com o padrão gravado na parede de um monumento localizado no local da feira e mercado, devendo aquele encaixar dentro deste.
Pode-se ainda hoje visualizar algumas marcas bem visiveis em alguns dos nossos monumentos, pelo nosso País.
Na cidade do Porto, as feiras realizavam-se em frente à Sé (foto acima) e como tal a sua marca encontra-se gravada num dos seus pilares da entrada principal.
Outros lugares podem-se ainda ver, tais como:
Portas das muralhas de Sortelha

Castelo de Alandroal

Castelo Redondo

Porta da Vila de Monsaraz

bem como de outros referenciados por este País e que se descrevem abaixo, em que alguns locais já não sejam possíveis de serem visualizados, tais como:

em Igrejas
- Colegiada de Guimarães;
- Igreja de Telões;
- Igreja de S. João, Lavandeira;
- Igreja Paroquial de Resende;
- Igreja Paroquial de S. Martinho de Mouros;
- Igreja de Stª. Marinha, Moreira de Rei;
- Igreja da Misericórdia, Sabugal;
- Igreja de S. Miguel, Monsanto;
- Igreja de Stª. Maria de Finisterra, Soure;
- Igreja da Madalena, Monforte;

em Portas de Muralhas das cidades de:
- Vila Real;
- Marialva;
- Sortelha (foto);
- Redondo (foto);
- Monsaraz (foto);

e ainda em Castelos:
- torre de menagem de Braga;
- Penedono;
- Alandroal (foto);
- Castro Marim;
- Castelo de Vide;

em casa particular:
- Castelo Rodrigo;

em Biblioteca:
- Pinhel;


Definições:
Palmo: com 22 centímetros, é a medida que se obtém com a mão toda aberta desde a ponta do dedo polegar até a ponta do dedo mínimo.
Côvado: com 66 centímetros (correspondendo a 3 palmos), esta medida era retirada da distância entre o cotovelo e a ponta do dedo médio da mão.
Vara: com 1,10 metros, valia 5 palmos de craveira (22 cm x 5)
Braça:com  2,20 metros (valendo 10 palmos), medida de ponta a ponta de cada braço aberto dos dedos maiores das mãos.

(retirado das obras de Medidas-Padrão Medievais Portuguesas, de Mário Jorge Barroca;
https://sites.google.com/site/climacoferreira/diversidades/medidas-antigas-e-presentes;
http://promontoriodamemoria.blogspot.pt/2012/10/antigas-medidas-de-peso-volume-e.html;
http://monsarazemfotos.blogspot.pt/;
http://traveltoalentejoportugal.blogspot.pt/;
http://ipemsp.wordpress.com/;
http://photoa.dlnewera.com/;
http://ruadealconxel.blogspot.pt/;
e de outros sites)

28 de Setembro de 2014

Os "Brandão e Silva" - Porto

Largo 1º de Dezembro, freguesia da Sé, Porto - Portugal (no Museu Soares dos Reis)

Esta pedra de armas é uma peça que, ao que tudo indica, se encontrava numa capela erigida junto à Porta do Sol, situada no Campo de Santa Clara com a rua de Stº. António do Penedo. Agora todo aquele lugar deu o nome de Largo 1º de Dezembro e ainda restam daquele tempo o convento e parte das muralhas fernandinas.
A demolição desta capela terá sido demolida em 1886/1887, ignorando-se a data da sua construção, levantando-se a hipótese de ter sido do 1º quartel do séc. XVII, embora haja referências de um documento onde menciona a existência de uma capela, no ano de 1504, cujo vinculo se encontrava na posse de Affonso Ferraz, o qual já teria herdado de seus descendentes.
No séc. XVII a confraria da Congregação do Oratório de S. Filipe de Nery estava instalada num pequeno templo nos antigos Carvalhos do Monte, chamada Capela de Santo António do Penedo por ter sido construída sobre uma rocha.
Primitivamente, em 1657, a capela fora dedicada a Santo Antão cuja propriedade pertencia ao morgado Miguel Brandão da Silva o qual terá deixado a sua marca com o seu brasão no arco do cruzeiro da mesma.
Todo aquele local era um dos pitorescos recantos do velho Porto, infeliz e inutilmente destruído, no período dos Almadas, por volta de 1768, para alargamento da cidade, que nessa época estava administrada pela Confraria dos Desembargadores da Relação.
Atualmente a pedra de armas encontra-se guardada no Museu Soares dos Reis.
É da época da renascença (séc. XVII), de construção em granito, de estilo clássico e em estado de conservação razoável.
A descrição é:
Classificação: Heráldica de família
Escudo: Francês
Formato: Partido
Leitura: I - Brandão e II - Silva
Elmo de perfil, com paquife
O timbre depreende-se ter sido mutilado e que seria dos Brandão, com 3 brandões do escudo em roquete
(parte de texto foi retirado de O Tripeiro, de F. A. Carlos Dias Neves (série I, ano I, p. 285, 300 e 301)

10 de Setembro de 2014

"Cete, através da história" - Paredes


Mais um evento que irá ocorrer este mês, no concelho de Paredes. Façam a vossa visita e participem com pretensão de preservar as vossas fotografias antigas, deste concelho e neste caso de Cete,
A Câmara acolherá com todo o prazer todo o espólio histórico, etnográfico, fotográfico que queiram divulgar. Vamos guardar nas nossas memórias o que ainda se pode preservar.
Eu agradeço e todos os Paredenses agradecem!

8 de Setembro de 2014

Rua do Comércio do Porto - Porto

Rua do Comércio do Porto, freguesia de S. Nicolau, Porto - Portugal
A rua que hoje se chama Comércio do Porto, juntou duas antigas artérias citadinas: a Rua da Rosa e a Ferraria de Baixo , ou Ferraria Nova... (Toponímia Portuense de Andrea Cunha e Freitas).
A data da deliberação é de 10 de janeiro de 1891.
"O Comércio do Porto" foi um jornal português, fundado no Porto em 2 de junho de 1854. Quando se deixou publicar, em 2005, era o segundo mais antigo português, a seguir ao Açoriano Oriental.
Os fundadores foram Henrique Carlos Miranda e Manuel Sousa Carqueja.
(http://ruasdoporto.blogspot.pt)

4 de Setembro de 2014

Portal Manuelino - Quinta da Conceição

Quinta da Conceição - Av. Antunes Guimarães, freguesia de Leça da Palmeira, concelho de Matosinhos - Portugal

Este Portal ou Pórtico sempre me intrigou. Recentemente e com a visualização de mais um programa de Joel Cleto no qual este foi o tema abordado, e de que irei descrever num pequeno resumo tudo aquilo que foi transmitido, bem como de outros tópicos que merecem pesquisas, passeios e curiosidades pelos locais referenciados.
A pergunta inicial e de que sempre me questionei foi "o que faz neste local este fabuloso portal ou arco ou pórtico manuelino?".
De facto este exemplar nasceu neste local, conhecida como quinta da Conceição, fazendo parte de uma de muitas peças interessantíssimas de um convento criado em 1481, com a designação de Convento de Nossa Senhora da Conceição, ligada à Ordem de S. Francisco.
Ao longo do tempo e com a extinção das ordens religiosas, em 1834, com a força ideológica do liberalismo, fez com que os movimentos e instituições religiosas em Portugal desaparecessem. 
Este local foi mais um exemplo da transformação e da degradação destes espaços de culto religioso privado com que a ruína deste convento se terá tornado e que praticamente desapareceu.
Neste mesmo ano o convento, muitas das peças e bens foram a hasta publica, tendo o portal também sido adquirido.
A sua aquisição foi com a intenção de decorar uma construção idealizada por uma personalidade de ideais liberais moderada, mas com formação médica - Dr. Antero Silveira Pinto. Os seus ideais advém  de seus antepassados, avô e pai, também eles médicos de formação e que no período de grandes conflitos e ideais miguelistas tiveram de se refugiar em França.
Ora, com a vitoria Liberal, Antero Silveira Pinto exerceu funções de grande fulgor e relevo, tendo sido membro do município e Presidente da Câmara de Gaia, e posteriormente exercido funções de governador civil de Aveiro e de Viana do Castelo, e tudo indica que foi quem idealizou a sua nova residência.
Esta sua construção ficaria conhecida como Palacete de S. Paio, pelo facto de no local se designar de Baía de S. Paio e que só em meados do séc. XIX se passou a chamar de Afurada.
A sua construção com dimensão de grande impacto apresenta duas torres e variadas janelas com arcos quebrados do gótico, com princípios do neogótico e com o espirito do romantismo da época levou a implantação desta linda peça manuelina na sua quinta.
É verdade, este lindíssimo pórtico manuelino foi trasladado para a margem esquerda do rio Douro e por lá ficou até que a sua transposição para o atual local, e original (lá perto) se deveu ao arquitecto Távora com o estudo e realização da implantação da Quinta da Conceição como espaço de lazer.
Foi interessante a apresentação histórica sobre esta peça e que mereceu da minha parte relembrar aos leitores desta página.
Obrigado Joel Cleto




25 de Agosto de 2014

Casa com torre - Avintes


Rua do Castelo, freguesia de Avintes, concelho de V. N. de Gaia - Portugal

A construção aparenta ter sido reconstruida ou recuperada, contudo uma coisa é certa, o nome da rua reflecte a existência de algo e tudo leva a crer ter sido esta a construção que motivou a toponímia deste arruamento.

11 de Agosto de 2014

Brasão dos Brito - rua das Taipas, Porto

(foto Ruy F. Brito e Cunha de: http://www.britoecunha.com/pedras-de-armas.html)

(fotografia retirada da obra "Porto nos Lugares da História", de Germano Silva

vista actual do prédio (nº 76)

Rua das Taipas, freguesia da Vitoria, concelho do Porto - Portugal

Sabia que este brasão pertenceu ao prédio dos Brito e Cunha, e que no séc. XVII era conhecido por palacete de Vilar de Perdizes ?

Para além deste prédio, o actual edifício que serve de Junta de Freguesia, também na rua das Taipas nº 15, terá pertencido à família de António Bernardo Brito e posteriormente a seu filho António Bernardo Brito e Cunha.
Este ultimo, ficou conhecido por se ter tornado num mártir pelas suas fortes convicções liberais e que terá sido executado na forca, a 7 de maio de 1828, em plena Praça Nova (actual Praça da Liberdade) pelas forças militares de D. Miguel, ficando popularmente conhecido pelos seu feitos e ideologias.

Referente a este palacete, também Germano Silva, numa das suas obras refere a sua relação com esta família dizendo que, "na mesma rua e pertencente à mesma família - Brito e Cunha - há uma outra casa, que era a sua casa principal, e onde viveram algumas gerações dos seus chefes de linhagem, que tem uma monumental pedra de armas, hoje apeada e que no género é única na cidade do Porto." - Porto nos lugares da história, Germano Silva

No séc. XX, foi aqui instalado uma Escola de Cegos, posteriormente funcionou a escola de Filipa de Vilhena, de Oliveira Martins e Mouzinho da Silveira e terá ainda servido de faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, encontrando-se actualmente como instalações do Instituto Multimédia.

Para terminar, informo que esta pedra de armas encontra-se no jardim da Quinta do Ribeirinho, em Matosinhos, durante séculos propriedade da família.

6 de Agosto de 2014

Fachada de prédio - S. Mamede de Infesta


Rua do Centro, nº 102, S. Mamede de Infesta, concelho de Matosinhos - Portugal

Fachada de prédio com trabalho em granito de excelência. Poucos prédios na área do Porto apresenta umas pedras tão bem lavradas (cliquem sobre a imagem para ampliar e ver detalhes).
Queiram preservar por muito tempo tal fachada. Vejam também no topo do beiral os detalhes.
Merece ser visto e divulgado.

24 de Julho de 2014

Guarda Fiscal - Lavra

Travessa de Angeiras, Lavra, Matosinhos - Portugal
Marca que tende a desaparecer das antigas construções desta entidade estatal. A Guarda Fiscal ainda tem a sua simbologia espalhada por todo o território e.... por pouco tempo.
Neste caso, a edificação vai ser transformada em moradia e ainda bem que a arquitecta a irá preservar no meio da conjugação da concepção do seu projeto.
Bem haja!

15 de Julho de 2014

Lordelo, ontem e hoje - Paredes

É em Lordelo - Paredes - Portugal
Mais uma exposição a merecer uma visita, quer pela temática, quer pela qualidade de apresentação das peças expostas. Vale a pena ir entre 23 de Julho a 17 de Agosto.

2 de Julho de 2014

Brasão dos Ferraz de Melo, Porto

Largo dos Lóios, 46/47, freguesia da Sé, Porto - Portugal

Construída pela família dos Ferraz de Melo, ditos de Santo Elói, senhores da Quinta de Loriz (prazo de Alpendurada) e de um morgado no Convento de S. Domingos (no Porto).
in "Património na Freguesia da Sé. Porto: CMP, 2006, nº25, de Graça, Manuel de Sampayo Pimentel Azevedo.
A descrição da pedra de armas aplicada na fachada de prédio de habitação e comércio é:
época: Barroca /séc. XVIII
estilo: Classico
família: Casa de Santo Elói, família dos Ferrazes de Melo
escudo: Francês ou quadrado
formato: esquartelado
leitura: I - Melo; II - Ferraz; III - Pinto; IV - Coelho
timbre: de Melo
elmo: de perfil com grades e com paquife

7 de Junho de 2014

Marco/Caixa de correio publica - Porto

Largo de S. João Novo, freguesia da Vitoria, Porto - Portugal

As suas origens são antigas, remontam a 1520, tempos em que a monarquia reinava em Portugal, e em que as deslocações eram feitas a pé, a cavalo ou de carruagem. resulta daí a imagem do cavaleiro montado num cavalo tocando a trombeta anunciando a chegada do correio, símbolo dos CTT.
As origens dos CTT remontam a época do Rei D. Manuel I em que criou o primeiro serviço de correio publico de Portugal, nomeando primeiro Correio Mor do reino hereditário a António Gomes de Elvas, de ascendência Cristã-nova, cargo extinto pela Rainha D. Maria I, em 1798.
os modernos CTT têm origem na fusão das Direcções-Gerais dos Correios e dos Telégrafos num único departamento, denominado Direcção-Geral dos Correios, Telégrafos e Faróis.
(retirado de texto da wikipedia)

5 de Junho de 2014

Brasão dos Carreiro - Igreja de S. Francisco

Rua Infante D. Henrique, freguesia S. Nicolau, Porto - Portugal

Este brasão encontra-se aplicado numa sepultura em interior da capela dos Brandão Pereira (túmulo de Fernão Brandão), na Igreja de S. Francisco.
A descrição da pedra de armas:
Época: séc. XVI
Classificação: Heráldica de família
Escudo: Português ou boleado
Formato: Simples ou pleno
Leitura de: Carreiro (de prata, com banda de azul carregada de um leão de ouro e acompanhada de dois pinheiros de verde, arrancados e frutados de ouro)
O escudo encontra-se suportado por um leão.

25 de Maio de 2014

Relógio de Sol, em casa particular - Rio Tinto

Av. Dr. Domingos Gonçalves de Sá, freguesia de Rio Tinto, Gondomar - Portugal

Encontra-se este relógio de sol pousado em jardim, como elemento decorativo conjuntamente com um outro e que oportunamente o iremos apresentar. Dado encontra-se num jardim privado entende-se não identificar o local para não merecer actos indesejáveis.

15 de Maio de 2014

Pedra de Armas desconhecida

Rua Nª. Srª. do Amparo, s/n (Venda Nova), freguesia de Rio Tinto, Gondomar - Portugal

Peça desconhecida, aplicada sobre portal de entrada para um corpo edificado de uma quinta. O brasão é português ou boleado e esquartelado. A sua simbologia não aparenta ser de heráldica de família pois apresentam símbolos isolados e figuras que não se coadunam nesta área de heráldica.

30 de Abril de 2014

Brasão do Conde Silva Monteiro em cemitério da Lapa - Porto

jazigo nº 106 - secção 17 - 3ª Divisão, cemitério da Lapa, Cedofeita, Porto - Portugal

A pedra de armas assente no jazigo-capela, embora não cumprindo as regras da heráldica, pretendeu honrar António da Silva Monteiro, famoso torna-viagem que faleceu na sua terra natal, após ter emigrado para o Brasil e lá enriquecido - o Porto.
António Silva Monteiro, agraciado em 1871, de Visconde, e mais tarde, em 1875, de Conde Silva Monteiro, pelo Rei D. Luis, nasceu no Porto, na freguesia de Lordelo do Ouro em 16/Agosto/1822.
Filho de António Silva Monteiro e de Ana Narcisa Pereira emigrou para o Brasil e casou-se com D. Carolina Júlia Ferreira, filha de negociante português.
Após longo tempo nas terras americanas regressou ao Porto indo viver para uma casa, que no séc. XIX foi considerada a "mais luxuosa da Invicta", situada na Rua da Restauração e virada para sul, com as melhores vistas para o Rio Douro.
Actualmente, sua casa pertence à Casa dos Vinhos Verdes, adquirida no período dos anos 40, tendo mantido toda a sua traça e o riquíssimo interior e jardins.
Não há conhecimento de pedras de armas bem definida desta figura nobilitada, sendo a única conhecida a que se encontra no cemitério da Lapa aplicada no jazigo particular, desde janeiro de 1855, e segundo se consta em estado de abandono.

13 de Abril de 2014

Casa do Valinho - Beire

Rua do Valinho, freguesia de Beire, Paredes - Portugal

A pedra de armas dos Pacheco Portocarreiro está aplicada, entre as ameias do portal da Quinta. Pela diferente qualidade do granito é perfeitamente visível que terá sido colocada posteriormente.
Na casa e quinta nasceram e morreram Manuel Pacheco Pereira e Maria Benedita Moura Coutinho, pais de João Pacheco Pereira, fidalgo da Casa Real, 8º senhor de Valinho, Comendador da Ordem de Nª. Srª. da Conceição de Vila Viçosa.
Nasceu em V. N. de Gaia, em 1811 e terá casado com Maria Adelaide Portocarreiro, tendo falecido em Paredes, a 1908, com 97 anos de idade.
Foi administrador do Concelho de Paredes (28/7/1851), juiz de Paredes (1845), advogado e capitão de D. Miguel, aquando da guerra civil (período do Cerco do Porto).
As armas apresentam um escudo português ou boleado, com ponta, partido, com a leitura de em I - Pacheco e II - Portocarreiro.
A coroa será de Marquês. É uma pedra muito simples e um trabalho de canteiro de fraca qualidade.
(informação tirada de:
 http://gw.geneanet.org/favrejhas?lang=en&p=joao&n=pacheco+pereira)

12 de Abril de 2014

"Caretos" em muro de casa à beira-mar - Lavra




Rua de Angeiras, nº 24, Freguesia de Lavra, Matosinhos - Portugal

Estas imagens "curiosas" estão aplicadas no correr de um muro de uma casa situada em Lavra, junto à praia. Não sei explicar o seu significado, contudo a ultima imagem aponta ser a simbologia de um pescador (?) e a penúltima uma senhora com uma cesta à cabeça. As restantes não tenho qualquer palpite!

5 de Abril de 2014

Brasão no cemitério da Foz do Douro - Porto

Cemitério da Foz do Douro, Porto - Portugal

Brasão da família Tavares e Távora, do período do séc. XX.
É uma pedra de armas aplicada sobre a entrada de jazigo cujo escudo é Português ou boleado, em granito e partido, em I - Tavares e II - Távora, com bordadura em que está uma inscrição em latim "QUAS QUNQUE FIDIT".
No seu canto superior direito, apresenta uma diferença de uma brica com um trifólio.

29 de Março de 2014

Dia Nacional dos Centros Históricos - ADPorto (2)

Arquivo Distrital do Porto
29/3/2014 
Serviços e projectos (2)


Rua das Taipas, nº 90, freguesia da Vitória, Porto - Portugal

Após as explicações referenciadas no post (1), anterior, onde se incluía a monumentalidade do mosteiro tripartido por entidades e instituições com actividade permanente neste edifício e no decorrer da visita presenteada pelos próprios técnicos deste Arquivo Distrital, que demonstraram uma disponibilidade e prazer na apresentação dos espaços, vamos dedicar abordar as suas actividades diárias.
Começando pela recolha de toda a documentação externa a arquivar nas instalações, que ao nível da cave, é feita após o descarregamento de todo esse material.
De acordo com as normas especificas toda a documentação entra limpa e devidamente organizada, pronta a ser utilizada de imediato, para consulta.
Na sala é introduzido e classificado o material entregue e encaminhado para os depósitos específicos.
Vista de um dos depósitos com múltiplos arquivadores rolantes.
Como é óbvio, estes espaços têm de cumprir regras estendo sujeitos a cumprimento rigoroso na garantia e preservação dos documentos, através de processos técnicos de acondicionamento daqueles espaços.
São áreas estanques com garantia de temperatura e teores de humidades precisos, limpeza e cuidados de desparasitação continuadamente em funcionamento.
Estão registados e arquivados neste Arquivo Distrital cerca de 12 km de arquivadores com documentação de vários fundos documentais, públicos e privados.
Num dos depósitos estão especificamente as documentações paroquiais com os registos de nascimentos, casamentos e óbitos, registados pelas paróquias até o ano de 1911. A partir desta data, o estado implementa a organização destes serviços pelos registos civis. 
Vista de gabinete de técnicos, antigas instalações dos monges, as suas celas.
No arquivos os fundos documentais distribuem-se por variados temas, desde administração central, local, associativos. Colecções, confrarias, diocesanos e eclesiásticos. de empresas, de assuntos familiares e pessoais, judiciais, notariais e monásticos.
O documento mais antigo guardado neste arquivo está datado do ano IX, anterior à formação do condado Portucalense.
Finalmente, no ultimo piso, (chamemos zona de sotão) encontramos o depósito com documentação mais antiga e os gabinetes e laboratórios para tratamento, conservação e microfilmagem.
Foto com a descrição técnica de tudo o que diz respeito a um livro.
Área de trabalho de tratamento e conservação documental. Em qualquer espaço com documentação tudo se faz com luvas e ferramentas próprias, adequadas a cada técnica de trabalho.


Para além disso, este espaço, por ser ao nível de cobertura oferece-nos uma vista divinal de Gaia e da zona ribeirinha do Porto, como também da vista da Sé, e de alguns edifícios mais emblemáticos.
Com gosto, comodidade, bom ambiente e prazer em tudo aquilo que se faz.... assim vale a pena trabalhar!