NOTA: A quem consulte e aprecie este blogue e possa contribuir com comentários, críticas ou correcções têm a minha consideração.
Aqueles que por seu entendimento, possam ser proprietários de alguns elementos fotográficos, e pretendam a retirada dessa foto, agradeço que me seja comunicada para evitar constrangimentos pessoais.

Obrigado.

4 de outubro de 2014

Antigas Medidas Medievais de Comprimento

Sé do Porto, Portugal

As medidas tradicionalmente usadas em Portugal, desde as origens da sua independência até ao período do ano de 1500, eram fundamentalmente o Côvado e a Vara e eram essencialmente utilizadas para se medir tecidos, mas também fitas e linhas.
O Côvado era já uma medida frequentemente utilizada e descrita pela Bíblia e em Portugal estas medidas eram muito variáveis quanto ao seu rigor da sua medida quer na actividade quotidiana das populações.
No que confere às medidas lineares a medida-padrão é o Palmo e consequência desta aparecem outras como múltiplos, entre as quais o Côvado e a Vara, mais usuais e correntemente utilizadas como medida.
Quadro-Padrão

Braça - 184 cm
Vara - 110 cm ( 5 palmos)
Meia Braça - 92 cm
Côvado ou Alna - 66 cm ( 3palmos)
Meia Vara - 55 cm (2,5 palmos)
Meio Côvado - 33 cm (1,5 palmos)
Palmo - 22 cm " Unidade-Base"

Este quadro confere uma uniformidade da medida, contudo podemos afirmar que em muitos locais, pelos séculos XII e XIII, essas medidas eram bem diferentes causando transtornos comerciais.
Na História de Portugal ficou retida a importância da chamada Reformas Manuelinas, como ponto de viragem na vida económica do reino, anunciadas em 1499 e considerada como marco de mudança de hábitos, pois assim perdurou por muitos anos a inconsistência nas medidas frequentemente utilizadas pela população como resistência natural, ao apego das tradições e o receio às mudanças.
Na cidade do Porto, só em 1711, com a publicação do "Regimento Aferidor dos Pezos Miúdos, Balanças e Medidas de Azeite e Covados e Varas desta Cidade do Porto e seu Termo" faz prova de que esta questão ainda não tinha sido resolvida, contudo viria a prevalecer a vontade real através de marcas em locais de feiras e mercados como representativo dessa imposição.
Como prova das medidas lineares podemos atualmente visualizar pelo País, como medida de aferimento das medidas utilizadas pelos mercadores, devia ser feito pelo confronto pela medida do comerciante com o padrão gravado na parede de um monumento localizado no local da feira e mercado, devendo aquele encaixar dentro deste.
Pode-se ainda hoje visualizar algumas marcas bem visiveis em alguns dos nossos monumentos, pelo nosso País.
Na cidade do Porto, as feiras realizavam-se em frente à Sé (foto acima) e como tal a sua marca encontra-se gravada num dos seus pilares da entrada principal.
Outros lugares podem-se ainda ver, tais como:
Portas das muralhas de Sortelha

Castelo de Alandroal

Castelo Redondo

Porta da Vila de Monsaraz

Igreja da Misericórdia, Sabugal (foto de Eduarda Filipe)

Igreja da Madalena, em Monforte (catálogo da "Exposição Pesos e Medidas em Portugal", 1990)

bem como de outros referenciados por este País e que se descrevem abaixo, em que alguns locais já não sejam possíveis de serem visualizados, tais como:

em Igrejas
- Colegiada de Guimarães;
- Igreja de Telões;
- Igreja de S. João, Lavandeira;
- Igreja Paroquial de Resende;
- Igreja Paroquial de S. Martinho de Mouros;
- Igreja de Stª. Marinha, Moreira de Rei;
- Igraja da Misericórdia, Sabugal (foto)
- Igreja de S. Miguel, Monsanto;
- Igreja de Stª. Maria de Finisterra, Soure;
- Igraja da Madalena, em Monforte (foto)
- Igreja de Montalvão nas colunas da Igreja (2 covados e 1 vara);
- Igreja de Stª. Maria dos Anjos, em Valença (covado) e numa porta da Rua Mouzinho de Albuquerque


em Portas de Muralhas das cidades de:
- Vila Real;
- Marialva;
- Sortelha (foto);
- Redondo (foto);
- Monsaraz (foto);

e ainda em Castelos:
- torre de menagem de Braga;
- Penedono;
- Alandroal (foto);
- Castro Marim;
- Castelo de Vide;

em casa particular:
- Castelo Rodrigo;

em Biblioteca:
- Pinhel;


Definições:
Palmo: com 22 centímetros, é a medida que se obtém com a mão toda aberta desde a ponta do dedo polegar até a ponta do dedo mínimo.
Côvado: com 66 centímetros (correspondendo a 3 palmos), esta medida era retirada da distância entre o cotovelo e a ponta do dedo médio da mão.
Vara: com 1,10 metros, valia 5 palmos de craveira (22 cm x 5)
Braça:com  2,20 metros (valendo 10 palmos), medida de ponta a ponta de cada braço aberto dos dedos maiores das mãos.

(retirado das obras de Medidas-Padrão Medievais Portuguesas, de Mário Jorge Barroca;
https://sites.google.com/site/climacoferreira/diversidades/medidas-antigas-e-presentes;
http://promontoriodamemoria.blogspot.pt/2012/10/antigas-medidas-de-peso-volume-e.html;
http://monsarazemfotos.blogspot.pt/;
http://traveltoalentejoportugal.blogspot.pt/;
http://ipemsp.wordpress.com/;
http://photoa.dlnewera.com/;
http://ruadealconxel.blogspot.pt/;
e de outros sites)

Sem comentários:

Enviar um comentário