NOTA: A quem consulte e aprecie este blogue e possa contribuir com comentários, críticas ou correcções têm a minha consideração.
Aqueles que por seu entendimento, possam ser proprietários de alguns elementos fotográficos, e pretendam a retirada dessa foto, agradeço que me seja comunicada para evitar constrangimentos pessoais.

Obrigado.

27 de outubro de 2013

Quinta Amarela ou Casa dos Cepêda - Porto

vista actual (em fase de restauro)

vista anterior às obras
Av. dos Combatentes (Antas) freguesia do Bonfim, Porto - Portugal

O portão armoriado situa-se num antigo lugar das Antas e ainda conhecido na zona como tal, e faz parte integrante de uma antiga quinta designada de Quinta Amarela.
Também é conhecida pela Quinta das Antas ou casa dos Cepêdas, tendo sido uma vasta propriedade que se encontra a norte da freguesia do Bonfim e com origens do séc. XVIII.
Até ao inicio do séc. XIX, a Quinta era um retiro pacato e suburbano rodeado de hortícolas que confrontava, a oriente, com a parte final da antiga rua de Montebelo, no alto do monte das Antas e que agora condiz aproximadamente com a Praça Velasquez e a Av. Fernão de Magalhães.
O conjunto incluía imóveis e grutas artificiais, provavelmente criadas durante o romantismo oitocentista, no miolo de um riquíssimo conjunto  de espécies vegetais e de percursos cuidados ao longo do terreno.
A propriedade, em cujas paredes sobressai a forte cor amarela, envolvida por passeios internos e árvores de grande porte, pertenceu à família Cêpeda, até ao fim do séc. XX e de que pouco se sabe sobre a história desta família.
Atualmente, a propriedade encontra-se a sofrer obras de grande dimensão, que irá alterar profundamente o conceito base da Quinta, estudo esse dirigido pelo Arquitecto Eduardo Souto Moura.

3 comentários:

  1. Parabéns pela publicação. Interessa-me imenso. Pertenço à família, embora nada tenha a ver com a propriedade da casa que conheci bem, até mesmo no seu interior. A minha Mãe, nascida em 1911 e já falecida, era filha de uma prima direita de Felisberto Cepêda, proprietário da casa juntamente com sua mulher Ermelinda (não sei o apelido de solteira da senhora). Tiveram 1 único filho, Francisco Cepêda, que conheci, pai de 2 filhas. Uma delas não teve descendência; a outra teve 1 ou 2 filhas. Vivo em Lisboa e, depois de a minha Mãe adoecer e falecer, perdi por completo o contacto com esse ramo da família. Gostava de possuir fotografia grande e nítida do brasão para o conseguir identificar. É bem possível que a família também tenha jazigo, com maior probabilidade em Agramonte. Pelo menos o outro jazigo da família, aquele onde repousa a minha Avó materna, é em Agramonte, mas não tem brasão (que me lembre). Desde que se identifique, pode-me contactar no Facebook no nome Maria Teles, foto de perfil com gatos. Não é o meu nome verdadeiro. É o nome de uma antepassada.

    ResponderEliminar
  2. cara "Maria Teles"
    Infelizmente não consigo contactá-la pelo facebook. Agradeço a atenção prestada nos seus comentários. Para lhe enviar a fotografia do brasão que pretende envie-me o seu e-mail para o meu pessoal "manueljosecunha@gmail.com". Mais uma vez, Grato

    ResponderEliminar
  3. No arquivo do Aurélio da Paz dos Reis há fotografias entre 1900 e 1920/30, da quinta das Antas e família, nomeademente da filha, designada por Mimi.
    Aida Freitas Ferreira

    ResponderEliminar